Notícias Gerais

Rússia faz campanha para minar confiança na Pfizer, dizem autoridades dos EUA

Autoridades dos Estados Unidos identificaram publicações russas que visam a minar a confiança das pessoas na vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech.

O Centro de Engajamento Global do Departamento de Estado norte-americano, que monitora os esforços de desinformação estrangeiros, identificou pelo menos 4 publicações on-line que questionam a eficácia do imunizante.

Destacando relatos da mídia internacional, um artigo do site russo News Front, publicado em janeiro, alertou para o risco de que quem recebesse a vacina da Pfizer poderia contrair a paralisia de Bell. Outro, de fevereiro, relatou o caso de um homem na Califórnia que teria contraído a covid-19 depois de receber o imunizante.

Em novembro de 2020, o site New Eastern Outlook afirmou que a vacina da Pfizer era uma “tecnologia experimental radical” que não tinha “precisão” e que seu uso foi aprovado às pressas com ajuda de Bill Gates e do médico Anthony Fauci, conselheiro do governo dos Estados Unidos sobre assuntos relacionados à pandemia. Os 2 foram acusados pela publicação de “jogar com vidas humanas em sua pressa para colocar essa vacina experimental em nossos corpos”.

Embora o público desses veículos seja pequeno, as autoridades norte-americanas disseram que as falsas narrativas podem ser amplificadas por outros meios de comunicação, dentro e fora da Rússia.

“Podemos dizer que esses meios de comunicação estão diretamente ligados aos serviços de inteligência russos”, falou um funcionário do Centro Global de Engajamento ao The Wall Street Journal. Ele pediu para não ser identificado.

Eles são todos de propriedade estrangeira, com sede fora dos Estados Unidos. Eles variam muito em seu alcance, seu tom, seu público, mas todos eles fazem parte do ecossistema russo de propaganda e desinformação.”

Além disso, a mídia estatal russa e as contas do Twitter do governo russo têm feito esforços para aumentar as preocupações sobre o custo e a segurança da vacina da Pfizer.

O porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, negou que as agências de inteligência do país estivessem orquestrando a publicação de artigos contra as vacinas ocidentais. Disse que as autoridades norte-americanas estavam descaracterizando o amplo debate internacional sobre os imunizantes como um complô russo.

Não faz sentido. Os serviços especiais russos não têm nada a ver com qualquer crítica às vacinas”, disse Peskov.

“Se tratarmos todas as publicações contra a vacina Sputnik V [desenvolvida na Rússia] como resultado dos esforços dos serviços especiais norte-americanos, enlouqueceremos. Nós as vemos todos os dias, a cada hora e em todos os meios de comunicação anglo-saxões.”

Um funcionário do Departamento de Estado norte-americano disse que as 4 publicações tinham ligações diretas com a inteligência russa. Segundo ele, os sites New Eastern Outlook e Oriental Review são dirigidos e controlados pelo SVR, o serviço de inteligência da Rússia. Eles se apresentam como publicações acadêmicas e são destinados a públicos no Oriente Médio, na Ásia e na África. Visam a fornecer comentários sobre o papel dos EUA no mundo.

Outra publicação, News Front, seria orientada pela FSB, um serviço de segurança que sucedeu a KGB, disse o funcionário. O site tem sede na Crimeia, produz informações em 10 idiomas e teve quase 9 milhões de visitas de fevereiro a abril de 2020.

Rebel Inside, a 4ª publicação, foi controlada pela GRU, que é uma direção de inteligência do Estado-Maior das Forças Armadas russas.

“Os serviços de inteligência russos são responsáveis diretos por usar essas 4 plataformas para espalhar propaganda e mentiras. Desde o início da pandemia da covid-19, no ano passado, vimos o ecossistema de desinformação da Rússia se desenvolver e espalhar falsas narrativas em torno da crise”, afirmou o funcionário norte-americano ao The Wall Street Journal.

Tags
Mostrar mais

Matérias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close