Notícias Gerais

Copom mantém juros em 2%: recuperação é desigual e inflação, acima do esperado

BC aponta cenário de incerteza, ainda mais com a redução do impacto dos auxílios emergenciais

Pela segunda vez seguida, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central manteve em 2% ao ano a taxa básica de juros, a Selic. Uma decisão que já era esperada pelo “mercado” e foi unânime, em reunião encerrada no final da tarde desta quarta-feira (28).

“As últimas leituras de inflação foram acima do esperado, e o Comitê elevou sua projeção para os meses restantes de 2020”, afirmou o Copom em comunicado divulgado logo depois do encerramento. “Contribuem para essa revisão a continuidade da alta nos preços dos alimentos e de bens industriais, consequência da depreciação persistente do Real, da elevação de preço das commodities e dos programas de transferência de renda.” O BC segue afirmando que se trata de um “choque temporário”, mas “mas monitora sua evolução com atenção”.

Durante um ano, até agosto, o Copom fez nove cortes na taxa básica de juros. Nesse período, a Selic foi de 6,50% para 2%. Enquanto isso, a inflação oficial (IPCA) teve em setembro sua maior taxa para o mês desde 2003 (0,64%). Em 12 meses, soma 3,14%.

Desaceleração e incerteza

“No cenário externo, a forte retomada em alguns setores produtivos parece sofrer alguma desaceleração, em parte devida à ressurgência da pandemia em algumas das principais economias”, diz ainda o Copom. “Há bastante incerteza sobre a evolução desse cenário, frente a uma possível redução dos estímulos governamentais e à própria evolução da Covid-19.”

“Em relação à atividade econômica brasileira, indicadores recentes sugerem uma recuperação desigual entre setores, similar à que ocorre em outras economias”, acrescenta o Comitê. “Os setores mais diretamente afetados pelo distanciamento social permanecem deprimidos, apesar da recomposição da renda gerada pelos programas de governo.”

Segundo o BC, a incerteza em relação ao crescimento “permanece acima da usual”. Ainda mais neste final de ano, “concomitantemente ao esperado arrefecimento dos efeitos dos auxílios emergenciais”.

Tags
Mostrar mais

Matérias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close