Personalidades

Valter Fernandes: história de vida e dedicação à Polícia Civil de Rondônia

Valter Fernandes de Almeida nasceu no dia 25 de fevereiro de 1962. É filho de Valdomiro Fernandes dos Santos e Maria Pereira de Almeida, terceiro filho do casal em um grupo de nove irmãos, sendo três homens e cinco mulheres.

Aos dois anos de idade Valter e sua família mudaram-se para o distrito de Itamira, no Município de Ponto Belo, Espírito Santo.  Por ser o mais velho dos filhos homens, aos 12 anos já era retireiro. Levantava às 04 horas da manhã e, sozinho, ordenhava manualmente 20 vacas leiteiras e entregava o leite às sete e meia no caminhão de laticínio, cerca de 1 km de distância local da ordenha.

A vida era difícil, mas os obstáculos que se erguiam diante do menino, serviam de combustível, de energia para se manter na luta, confiante de que as coisas seriam melhores, mais amenas quando se tornasse adulto.

Com o processo de colonização do então Território Federal de Rondônia em alta, política amplamente impulsionada pelo governo federal, em 1977 veio para Rondônia com 15 anos de idade. Famosa por ter uma das melhores terras de Rondônia, sua família, por ter ampla experiência na lida com a lavoura, fez a opção por fixar moradia na então Vila de Rondônia, hoje a cidade de Ji-Paraná, em 06 de março de 1977.

Uma das primeiras medidas tomadas pela família foi adquirir uma área de terra na linha 207. Como á época tudo era difícil, principalmente a ida para a zona rural por falta de estradas. Como bom pai, zeloso e preocupado com o futuro, optou por deixar sua a esposa e os filhos na área urbana para que todos pudessem estudar, pois o mesmo era analfabeto, mas não abria mão de que os filhos estudassem.

Sempre focado em buscar alternativas para ajudar sua família e com vontade de ser alguém na vida, nunca desistiu da Educação. Ainda na Vila de Rondônia, estudou na Escola Marechal Rondon e nas horas vagas trabalhava numa frutaria vendendo bananas de bicicleta, de porta em porta, ou fazendo tijolos em uma olaria na beira do Igarapé 02 de Abril.

Trabalhou também como marceneiro em uma fábrica de móveis e como pintor, tendo inclusive participado da equipe que efetuou a pintura do prédio do Incra, que fica ao lado da Prefeitura de Ji-Paraná. Em dezembro de 1978 já com 16 anos de idade, foi contratado para trabalhar como sonoplasta na Rádio Alvorada de Rondônia, uma jornada diária das 18 horas à meia noite. Era um trabalho que exigia muito esforço, tanto físico – por ter suportar o sono – e mental, já que toda a programação musical e comercial passava por suas mãos.

Durante todo o período, testemunhou fatos importantes como: a transformação de Vila de Rondônia no município de Ji-Paraná, a chegada do então governador Jorge Teixeira, a criação dos NUARES – Núcleo de Apoio Urbano e Rural que se transformaram em cidades, a formatação da agricultura, a abertura das linhas rurais, o projeto Burareiro, que incentivou o plantio de cacau e a transformação de Rondônia em Estado.

Na Rádio Alvorada trabalhou até o ano de 1984. Desenvolveu atividades de sonoplastia, locutor, repórter e narrador esportivo. Após sair da rádio foi trabalhar como instrutor na Autoescola Ideal, período que se estendeu até o início de 1985. Neste mesmo ano, trabalhou na agência do Banco Bradesco de Ji-Paraná, onde foi escriturário, caixa e chefe de seção, saindo na metade do ano de 1986, para trabalhar no Banco do Estado de Rondônia (Beron), onde desenvolveu atividade de caixa até julho de 1988.

Valter não sabia, mas sua vida iria mudar muito. Após sua saída do Beron, retornou a autoescola onde trabalhou até março de 1989. Em outubro de 1988, quando trabalhava como instrutor em um veículo fusca na autoescola conheceu Suely Severino da Silva, com quem se casou em 30 de novembro de 1990. Dessa união nasceram os filhos Willian da Silva Fernandes, hoje com 26 anos e bacharel em Direito e Alisson da Silva Fernandes, 22 anos de idade, que se formará em Direito até o final de 2021.

Dinâmico, em março de 1989 foi trabalhar como Assessor Parlamentar na Câmara Municipal de Ji-Paraná, ano em que prestou o concurso para Escrivão da Policia Civil de Rondônia tendo sido aprovado.

Em 14 de maio 1990 inicia sua história com a Polícia Civil. Confiante, cheio de sonhos e projetos, chegou à Academia de Polícia Civil (Acadepol) na Avenida Amazonas, em Porto Velho, onde fez o curso de formação, tomando posse no dia 14 de agosto de 1990. Inicialmente, foi designado para exercer sua função na cidade de Ariquemes na 2ª Delegacia de Polícia, permanecendo até 10 de janeiro de 1992, após conseguir sua transferência para a cidade de Ji-Paraná.

Em Ji-Paraná trabalhou um ano como escrivão. Foi remanejado para exercer a função de Agente de Polícia Ad-HOC, prestando serviço na Sevic, Serviço de Vigilância, Investigação e Captura da 1ª Delegacia de Polícia de Ji-Paraná, assumindo a chefia do setor de investigação no ano de 1994, permanecendo até final do ano de 1996, quando então deixou o cargo para assumir a chefia do setor de investigação da Delegacia Regional de Polícia de Ji-Paraná, permanecendo no cargo até o fim do ano 2000.

Em 2001 por problema sério de saúde ficou afastado de suas funções, tendo inclusive passado por uma cirurgia delicada, no cérebro, no Hospital das Clinicas em São Paulo no dia 22 de março de 2001. Retornou ao trabalho no ano seguinte e mesmo com a possibilidade de se aposentar por invalidez, por ter ficado com sequela na perna direita em virtude da intervenção cirúrgica, optou por continuar trabalhando e exercendo a função no setor de investigação da 1ª  Delegacia e Delegacia Regional até 14 de dezembro de 2018, quando se aposentou por tempo de serviço.

A história de Valter se junto à de Rondônia, em especial de Ji-Paraná. Por ter excelência em seu trabalho, participou de diversas operações policiais de Rondônia. Em Jaru participou da cassada aos matadores do delegado José Carlos em 1997, participando ainda da operação que identificou os criminosos que efetuaram o maior roubo ao Banco do Brasil no estado de Rondônia na década de 90 em uma das agências em Ji-Paraná. Participou de operação em Cuiabá MT, e na Bolívia.

Em Rondônia quando atuava na Regional de Ji-Paraná, prestou apoio em diversas operações em todas as cidades do Estado. O EPC Valter Fernandes é um grande exemplo de dedicação à Polícia Civil do Estado de Rondônia, pois sempre desenvolveu suas atividades com muita eficiência, zelo, compromisso e, acima de tudo, amor à Instituição. Por sua brilhante trajetória familiar e profissional o EPC Valter Fernandes de Almeida, fará parte da seleta lista de Personalidade da Polícia Civil, coluna publicada pelo site do SINPOL-RO.

Tags
Mostrar mais

Matérias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close